Pesquisar este blog

Seguidores

sábado, 6 de novembro de 2010

SALA FILOSOFIA ESPÍRITA




SALA FILOSOFIA ESPÍRITA


Raimundo de Moura Rêgo Filho

Será que no nosso hoje, sabemos nós, espíritas, qual a natureza da Casa Espírita e o que ela representa para o movimento espírita?
Se de um lado temos aqueles que acreditam com boa fé que a casa espírita seja um Hospital de Almas. Estariam corretos? Qual o pensamento de Kardec a respeito?


Outros muitos tecem longas palestras dizendo que a casa espírita seja o celeiro da caridade e do amor ao próximo, propagandeando o valor das doações de cestas básicas, cortes de cabelo, e visitas aos menos favorecidos. O codificador nos mostrou isso nas páginas das Obras Básicas?

Outro núcleo por demais agitado, afirma que a casa espírita é e será sempre o grande laboratório Espiritual, abrindo as asas científicas da Doutrina a vôos altos. Será mesmo que o codificador só enxergava esta imagem?
Nesses nossos tempos de visitas às inúmeras dessas casas espíritas e em conversas animadas com os núcleos jovens e maduros das mesmas, ouvimos muita coisa, aprendemos muito, mas ficou-nos a impressão de que ainda não se tinha apurado os “olhos de ver”para o que seja o mote principal da Casa Espírita. Não que seus integrantes não o tenham querido ver não que não tenham se esforçado para entender, apenas faltou-lhes de parte do corpo diretor dessas casas, uma maior informação, pautada na codificação, tão somente nela, posto que foi o codificador, com a ajuda da tão decantada plêiade de Espíritos superiores, que a colocou em nossas mãos para estudo, notem bem, para estudo amigos.
Estudar significa raciocinar sobre o lido, fator e sem o qual não se aprende, nem se forma elemento de convicção forte para que se possa emitir comentário ou se ter o tão falado “entendimento” do assunto.
Mas estuda-se muito na casa espírita, dizem-me sem mentir muitos companheiros. Ao que respondo: Não digo que não, mas antes haverão de me provar que qualquer tema estudado, sem que se tenha a raiz, o fulcro do tema bem fundamentado e esclarecido possa vir a dar bons resultados.

Amigos, falamos de doutrina Espírita, dela mal sabemos o B A = BA. Sem um estudo doutrinário perfeito, encimado pelos ditamos dos livros que compões as Obras Básicas, toda a literatura convergente, se esvai pelos ralos de nosso desconhecimento. Por certo há autores excelentes, de excelência no saber e no Explicar, mas todos eles falam da matéria espírita, mas infelizmente não fazem doutrina. Digo isso ressaltando nomes como de Leon Denis, J.Herculano Pires e Hermínio C. de Miranda, entre outros.
Por quê? Mas a resposta salta-nos aos olhos de tão simples: Todos eles falam da doutrina, têm-na sob as luzes de seu grande saber, mas sob suas próprias ópticas. A razão e o bom senso, que nos servem de elmos contra as lancetadas da ignorância, guiam-nos ao pensamento de que quando se tem um corpo doutrinário, completo, livre de falsas interpretações e trazido com a validade de um Controle Universal,
Estes é que seriam os postulados que nos serviriam melhor de alicerce do aprendizado doutrinário e não as obras ditas subsidiárias.
Não é meu interesse ou trabalho, convencer ninguém do que falo, mas será que haveria contradita a estas citações?

“Um dos maiores obstáculos à propagação da doutrina é a falta de unidade. O único meio de evitá-lo, se não presentemente, ao menos no futuro, é apresentar essa propagação em todas as suas partes e até nas minudências com tal precisão e clareza, que seja impossível qualquer interpretação divergente (...)”.

“O Espiritismo, bem entendido e bem compreendido, é o meio único de remediar esse estado de coisas e tornar-se, como dizem os Espíritos, a grande alavanca de transformação da humanidade. A experiência deve esclarecer-nos sobre o caminho a seguir; mostrando-nos os inconvenientes do passado, ela nos diz claramente que o único meio de evitá-lo para o futuro é assentar o Espiritismo em bases sólidas de uma doutrina positiva, nada deixando a interpretação. As dissidências, que poderiam surgir, se fundirão na unidade principal, estabelecida em bases mais racionais, claramente definidas.”

Para aqueles noviços nas linhas doutrinárias, ou para aqueles que de tanto caminho andado nas estradas do Espiritismo, não as saibam, ou que as tenham esquecido, lembraria que as afirmações acima são do próprio codificador, Allan Kardec.
Ora, se não fossem entendidas estas palavras como o cerne, o embrião, ou o âmago do que deveria ser o Mote principal da casa espírita, serve-nos ainda, apenas como um consolo, esta outra citação, oriunda da mesma fonte, esta tão desprezada em nossos dias.
“A organização que propusemos para a organização dos grupos espíritas tem por objetivo preparar os caminhos que devem facilitar, entre eles, relações mútuas. Ao número de vantagens que devem dessas relações, é preciso colocar, em primeira linha, a unidade da Doutrina, que lhe será a conseqüência natural. Essa unidade há está feita em grande parte, e as bases fundamentais do Espiritismo hoje estão admitidas pela imensa maioria dos adeptos; mas ainda há questões duvidosas, seja que não hajam sido resolvidas, seja que hajam sido em sentido diferente pelos homens, e mesmo pelos Espíritos(...)” Allan Kardec.

Temos então meus amigos, nessas poucas linhas, um valioso testamento do codificador norteando o rumo do que hoje é conhecido para nós como a Casa Espírita. É ela a nossa grande Escola, o nosso Laboratório, a nossa Academia, compreendendo esses três matizes, o seu fundamento basilar, sob a égide do tríplice aspecto: Ciência, filosofia e conseqüências morais.
Este resumido artigo, teve como mote, um alerta, e um pedido:
Alerta-los para as conseqüências que advirão da falta da formação doutrinária
Pedir-lhes para que envidem todos os esforços, para que por ação de sua movimentação enquanto espíritas e, portanto participantes das casas espíritas e do movimento espírita, comecem a procurar junto às diretorias das casas espíritas que freqüentem a avaliação dos cursos ministrados e a consecutiva e necessária modificação em seu conteúdo, pois é do estudo consistente e bem elaborado que se faz o conhecimento doutrinário.

Este que todos nós buscamos e precisamos.
Muita paz.


TAGS:"keywords" content= FILOSOFIA ESPÍRITA, FILOSOFIA ESPÍRITA, FILOSOFIA ESPÍRITA, FILOSOFIA ESPÍRITA, FILOSOFIA ESPÍRITA, FILOSOFIA ESPÍRITA, FILOSOFIA ESPÍRITA, FILOSOFIA ESPÍRITA, FILOSOFIA ESPÍRITA,FILOSOFIA ESPÍRITA, FILOSOFIA ESPÍRITA

Reações:

1 comentários:

"É ela (a casa espírita) a nossa grande Escola, o nosso Laboratório, a nossa Academia, compreendendo esses três matizes, o seu fundamento basilar, sob a égide do tríplice aspecto: Ciência, filosofia e conseqüências morais".
Jóia esta colocação...Até vou adotar esta expressão. "A casa espírita é a academia do espírito", para aqueles que têm o hábito de visitar academias de ginástica, rsrsrs. Portanto...que se estude com muita seriedade nos grupos de esde. Que avaliemos o que dizem os expositores espíritas. Ele não está neste trabalho pra nos dizer o que é certo e sim para nos alertar ao raciocínio. Devemos pesquisar, avaliar e fazer o que estamos fazendo agora: buscar, através de diálogo aberto o melhor entendimento por várias mentes.

Gostei muito da maneira de expor, através deste artigo, como se deselvolve o tríplice aspecto da Doutrina Espírita na casa espírita: filosofia (estudo), ciência (laboratório). aspecto moral, que pelo visto substitui o aspecto religioso *há controvérsia precisamos debater mais a respeito de tirar o aspecto religioso da Doutrina Espírita(academia).

O LADO OBSCURO DO ESPIRITISMO # SEGUIDORES DE CHICO XAVIER