Sob o Crivo da Razão 1 Titulo

Assuntos diversos sob o crivo da razão.

Escolha seu caminho misticismo ou razão 2 Titulo

Variada pesquisa ao seu dispor videos, artigos e palestras .

Cientistas Espiritas 3 Titulo

Descubra aqui os ciêntistas que pesquisaram a doutrina espirita, e poste suas dúvidas.

Descubra o pensamento Liberal Espirita 4 Titulo

Neste espaço você vai entender porque a doutrina espirita é inconciliável com o socialismo.

Debates e crítica literária espirita 5 Titulo

Um espaço para o contraditorio, onde colocamos em dúvidas muitas questões tidas como doutrinarias.

Pesquisar este blog

Seguidores

domingo, 20 de abril de 2014

Policia Federal prende o espírita Clóvis Nunes



No dia 28 de novembro a Polícia Federal deflagrou a chamada “Operação Volcano”, que visava desarticular uma organização criminosa responsável por fraudar a Campanha do Desarmamento. Segundo a PF, a organização havia desviado R$ 1,3 milhão dos cofres públicos através do pagamento irregular de indenizações por entregas de armas de fogo. No centro da organização está a ONG desarmamentista MovPaz Brasil e seu coordenador nacional, Clóvis Nunes.



Clóvis Nunes foi preso durante a operação da PF e, após ser liberado, publicou uma carta aberta à sociedade brasileira (leia aqui aíntegra). Na carta, Clóvis Nunes relata sua experiência durante os 5 dias em que ficou preso:



    Eu apenas me perguntava: “Por que, meu Deus, tanta injustiça?” Com mais de vinte anos trabalhando pela paz, dezesseis deles dedicados ao desarmamento, horas de serviços prestados à causa da cultura pela paz…



Após apresentar-se como um pacifista injustamente preso (colocando-se à sombra de figuras como Gandhi e Mandela), Nunes encerra a carta, reafirmando sua inocência:



    De mãos limpas, de alma pacificada e consciência tranquila, volto a afirmar: SOU INOCENTE!

    Paz pela paz.

    Clóvis Nunes



Além de membro do Conselho Nacional de Segurança Pública (órgão responsável por definir as diretrizes das políticas de segurança pública do país), Clóvis Nunes é amplamente conhecido no meio espírita em todo o país por suas palestras e aulas sobre espiritismo, além de suas pesquisas sobre TCI (transcomunicação instrumental) e EVP (electronic voice phenomenon), que seriam técnicas de comunicação com espíritos através de equipamentos eletrônicos.

Desarmamento? Nem morto!


Um filme com temática espírita foi sucesso de bilheteria no Brasil em 2010. “Nosso Lar” , baseado no livro homônimo psicografado por Chico Xavier, é um filme que trata das experiências de André Luiz, um homem que morre e percebe que continua vivo no mundo espiritual numa espécie de purgatório, repleto de criaturas sombrias, chamado “umbral”. Depois de passar um período nesse ambiente, André Luiz é resgatado por espíritos benevolentes que levam-no para uma colônia espiritual de reabilitação chamada Nosso Lar.



Chico Xavier psicografou diversos livros com os relatos de André Luiz sobre esse mundo espiritual. No segundo livro da série, chamado “Os Mensageiros”, André Luiz viaja para fora da colônia Nosso Lar em direção a um posto de socorro mantido por espíritos benevolentes em pleno umbral. Uma passagem desse livro chama a atenção, e vai totalmente contra o pacifismo desarmamentista e utópico do espírita Clóvis Nunes.



Acompanhado de Alfredo, administrador do posto de socorro, André Luiz relata suas impressões ao chegar naquele local:



    Descemos as escadarias e, em frente dos muros altos, pude observar a extensão das defesas do soberbo edifício. [...] Observei o caminho da ronda, a cisterna, as seteiras e, em seguida, as paliçadas e barbacãs, refletindo na complexidade de todo aquele aparelhamento defensivo. E as armas? Identificava-lhes a presença na maquinaria instalada ao longo dos muros, copiando os pequenos canhões conhecidos na Terra.



    — Já sei a impressão que a nossa defesa lhes causa — disse Alfredo, detendo-se para explicar.

    Fixando-nos com o olhar muito lúcido, continuou:



    — Naturalmente, não imaginavam necessárias tantas fortificações. Conforme vêem, nossa bandeira é de concórdia e harmonia; no entanto, é imprescindível considerar que estamos em serviço que precisaremos defender, em qualquer circunstância. Enquanto não imperar a lei universal do amor, é indispensável persevere o reinado da justiça. Nosso Posto está colocado, aqui, igualmente, como “ovelha em meio de lobos”, e, embora não nos caiba efetuar o extermínio das feras, necessitamos defender a obra do bem contra os assaltos indébitos.



    — Mas… e as armas? — perguntei — acaso são utilizadas?



    — Como não? — disse Alfredo, pressuroso. Naturalmente, a ninguém atacaremos. Nossa tarefa é de socorro e não de extermínio.



    (Os Mensageiros, 41a. ed., pág. 127)



Nem mesmo os mortos retratados no livro de Chico Xavier dão algum crédito à utopia desarmamentista de Clóvis Nunes. Até eles sabem que, quando se está como “ovelha em meio de lobos”, é necessário que reine a justiça e a defesa dos homens de bem contra os assaltos de maus e perversos.



O livro prossegue com uma fábula, cujo ensinamento é uma pá de cal sobre a “Paz pela Paz” de Clóvis Nunes e sua militância pacifista. Pena que o palestrante e estudioso espírita parece não ter compreendido, ou, se compreendeu, prefiriu ignorar estes ensinamentos:



    Alfredo sorriu serenamente e perguntou, bem humorado:



    — Vocês conhecem a lenda hindu da serpente e do santo?



    Ante a nossa expressão negativa, o administrador continuou:



    — Contam as tradições populares da Índia que existia uma serpente venenosa em certo campo. Ninguém se aventurava a passar por lá, receando-lhe o assalto. Mas um santo homem, a serviço de Deus, buscou a região, mais confiado no Senhor que em si mesmo. A serpente o atacou, desrespeitosa. Ele dominou-a, porém, com o olhar sereno, e falou:— Minha irmã, é da lei que não façamos mal a ninguém. A víbora recolheu-se, envergonhada. Continuou o sábio o seu caminho e a serpente modificou-se completamente. Procurou os lugares habitados pelo homem, como desejosa de reparar os antigos crimes. Mostrou-se integralmente pacífica, mas, desde então, começaram a abusar dela. Quando lhe identificaram a submissão absoluta, homens, mulheres e crianças davam-lhe pedradas. A infeliz recolheu-se à toca, desalentada. Vivia aflita, medrosa, desanimada. Eis, porém, que o santo voltou pelo mesmo caminho e deliberou visitá-la. Espantou-se, observando tamanha ruína. A serpente contou-lhe, então, a história amargurada. Desejava ser boa, afável e carinhosa, mas as criaturas perseguiam-na e apedrejavam-na. O sábio pensou, pensou e respondeu após ouvi-la:



    — Mas, minha irmã, houve engano de tua parte. Aconselhei-te a não morderes ninguém, a não praticares o assassinio e a perseguição, mas não te disse que evitasses de assustar os maus. Não ataques as criaturas de Deus, nossas irmãs no mesmo caminho da vida, mas defende a tua cooperação na obra do Senhor. Não mordas, nem firas, mas é preciso manter o perverso a distância, mostrando-lhe os teus dentes e emitindo os teus silvos.



    O administrador fez longa pausa e concluiu:



    — Creio que a fábula dispensa comentário.



    (Os Mensageiros, 41a. ed., pág. 131)



O espinheiro que dá figos.



Onde há fumaça, há fogo. Neste caso, onde há desarmamento e pacifismo há a semente de um totalitarismo revestido por mentiras. No vídeo abaixo (http://www.youtube.com/watch?v=shmKSrQ1oxI), Clóvis Nunes apresenta sua tese sobre o relacionamento entre Allan Kardek (Hippolyte Rivail) e Karl Marx na França em meados do século 19, no período em que o primeiro estabelecia as bases da doutrina espírita. Clóvis Nunes confidencia no vídeo, em duas passagens:



    Eu andei lendo muito Marx, e gostava das ideias socialistas. Porque Marx é uma coisa, o comunismo é outra. É como Jesus e o catolicismo. (aos 00:50 seg.)



    [...]



    O partido comunista fez a revolução pela luta armada, que não era a ideia de Marx. Por isso os espíritos livraram Marx e acusaram o partido que ia ser criado. (aos 12:00 min.)



É notável no vídeo o esforço de Nunes em tentar afastar Marx de qualquer relação com os resultados nefastos de suas ideias, em particular os genocídios comunistas. Nesse esforço, Nunes chega a absolver Marx em nome do “Espírito de Verdade” (que teria sido o mentor espiritual de Allan Kardec e responsável pela codificação da doutrina espírita). Portanto, absolve Marx em nome da doutrina espírita.



Clóvis Nunes apenas repete a velha e conhecida cantilena propagada pelos canalhas socialistas, na tentativa abjeta de reescrever a história e desconectar o marxismo dos flagelos humanitários que produziu: “Deturparam as idéias de Marx!” Para Nunes, a URSS deturpou Marx, a China deturpou Marx, a Coréia do Norte, Camboja, Vietnan, Cuba, etc… Ou seja, todas as vezes em que as ideias de Marx foram postas em prática – invariavelmente causando tragédias humanitárias – foi a deturpação dessas ideias a causa de tais tragédias, e não o fato de que o próprio marxismo traz em si o gérmen das tragédias que suscitou.



Nem que mil jacas podres atinjam a cabeça de Clóvis Nunes! O pacifista continuará acreditando que uma árvore não se conhece pelos frutos reais que produz, mas pelos frutos imaginários, projetados pelos anseios do observador. Para Nunes, um espinheiro pode dar figos! (ver Lucas, VI – 43)



Nunca é demais relembrar nossa história: não faltaram, nas fileiras nazistas e comunistas, obreiros de boa vontade como Clóvis Nunes – obcecados por um novo mundo da paz garantida pelo Estado – a bater de porta em porta, tomando as armas de fogo dos cidadãos de bem que mais tarde viriam a sucumbir, indefesos, subjugados pela mão pesada desse Estado protetor. O desarmamento está nos deixando cada dia mais desprotegidos, à mercê dos lobos.




O LADO OBSCURO DO ESPIRITISMO # SEGUIDORES DE CHICO XAVIER