Sob o Crivo da Razão 1 Titulo

Assuntos diversos sob o crivo da razão.

Escolha seu caminho misticismo ou razão 2 Titulo

Variada pesquisa ao seu dispor videos, artigos e palestras .

Cientistas Espiritas 3 Titulo

Descubra aqui os ciêntistas que pesquisaram a doutrina espirita, e poste suas dúvidas.

Descubra o pensamento Liberal Espirita 4 Titulo

Neste espaço você vai entender porque a doutrina espirita é inconciliável com o socialismo.

Debates e crítica literária espirita 5 Titulo

Um espaço para o contraditorio, onde colocamos em dúvidas muitas questões tidas como doutrinarias.

Pesquisar este blog

Seguidores

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

NOSSO LAR





"Um Universo que não foi feito para nós".
Trechos do livro "Pale Blue Dot: A Vision of the Human Future in Space" de Carl Sagan, narrado pelo mesmo. Mais especificamente, do capítulo intitulado

Um Universo que não foi feito para nós
Nossos ancestrais concebiam as origens extrapolando a partir de suas próprias experiências. Como mais poderiam fazê-lo?
Então o universo foi chocado de um ovo cósmico, ou concebido de uma congregação sexual de uma deusa mãe e um deus pai, ou foi como um produto da oficina do Criador
- talvez o último de muitas tentativas falhas.
E o Universo não era muito maior do que vemos, e não mais velho do que nossos registros escritos ou falados, e nem muito diferente do que os lugares que conhecemos.

Tendemos, em nossa cosmologia, a tornar as coisas familiares, apesar de nossos melhores esforços, não fomos muito criativos.

No Ocidente, o céu é plácido e confortável, e o inferno é parecido com o interior de um vulcão. Em muitas estórias, ambos os reinos são governados por hierarquias dominantes, liderados por deuses ou demônios.

Monoteístas falavam sobre o rei dos reis.
Em todas as culturas, imaginamos algo como nosso próprio sistema político governando o Universo, poucos acharam as similaridades suspeitas.
Então veio a ciência e nos ensinou que não somos a medida de todas as coisas, que há maravilhas inimagináveis, que o Universo não é obrigado a ajustar-se ao que consideramos confortável ou plausível.
E, novamente, se não somos importantes, nem centrais, nem a maçã dos olhos de Deus,
o que isso implica para nossos códigos morais baseados na teologia?
A descoberta de nossa verdadeira importância no Cosmos foi segurada por tanto tempo e até tal ponto que muitos traços do debate ainda persistem, às vezes com os motivos geocentristas revelados.

Então, o que realmente buscamos na filosofia e na religião?
Paliativos?
Terapia? C
Conforto?
Buscamos fábulas tranquilizadoras ou um entendimento de nossas reais circunstâncias?
Desanimarmos porque o Universo não se ajusta a nossas preferências parece infantil.
Poderia se pensar que adultos se sentiriam envergonhados em publicar tais desapontamentos, a forma elegante de fazer isso não é culpar o Universo que parece verdadeiramente sem sentido - mas culpar os meios pelos quais conhecemos o Universo, a saber, a ciência.
A ciência nos ensinou que, como temos o talento de enganarmos a nós mesmos, a subjetividade não pode reinar livre, suas conclusões derivam de interrogar a Natureza, e não são em todos os casos predestinadas a satisfazer nossos desejos.
Reconhecemos que mesmo líderes religiosos reverenciados, produtos de sua época como somos da nossa, podem ter cometido erros.
Religiões contradizem uma a outra em assuntos menores tais como se devemos colocar um chapéu ou tirá-lo ao entrar em um templo, ou se devemos comer carne e abster de porco ou o inverso, até as questões mais centrais, como se não existem deuses, um Deus ou muitos deuses.

Se você viveu há dois ou três milénios atrás, não havia vergonha em acreditar que o Universo foi feito para nós, era uma tese atrativa, consistente com tudo que conhecíamos; era o que os mais estudados entre nós ensinavam, sem restrição.

Mas descobrimos muito desde então, defender esta posição atualmente equivale a desconsiderar intencionalmente as evidências, e uma fuga do autoconhecimento.
Desejamos estar aqui por um propósito, mesmo que, apesar de muito auto-engano,
nenhum seja evidente. Nossa época tem o fardo do peso acumulado de sucessivas invalidações dos nossos conceitos.
Somos recém chegados? Vivemos no isolamento cósmico? Emergimos de micróbios e detritos?

Primatas são nossos primos? Nossos pensamentos e sentimentos não estão em nosso completo controle, podem haver seres muito mais inteligentes e diferentes em algum lugar. E além disso tudo, estamos fazendo uma bagunça em nosso planeta e nos tornando um perigo para nós mesmos. O alçapão em baixo de nossos pés se abrem. Nos encontramos em uma queda livre sem fim.

Estamos perdidos em uma grande escuridão, e não há ninguém para enviar uma equipe de resgate. Dada esta realidade tão dura, claro que somos tentados a fechar os olhos e fingir que estamos seguros e confortáveis em casa, que a queda é apenas um pesadelo.

Quando superamos nossos medos de sermos insignificantes, nos encontramos no limiar de um vasto e imponente Universo que diminui totalmente - em tempo, em espaço e em potencial - o palco arrumado e antropocêntrico de nossos ancestrais.

Olhamos através de bilhões de anos-luz no espaço para vislumbrar o Universo logo após o Big Bang, e exploramos a estrutura fina da matéria. Fitamos o núcleo de nosso planeta, e o interior ardente de nossa estrela. Lemos a linguagem genética na qual são escritas as diversas habilidades e propensões de todos os seres da Terra.
Nós descobrimos capítulos ocultos nos registros de nossa própria origem. Inventamos e refinamos a agricultura, sem a qual quase todos morreríamos de fome.
Criamos medicamentos e vacinas que salvam a vida de bilhões, nos comunicamos na velocidade da luz, e viajamos ao redor da Terra em uma hora e meia.
Enviamos dúzias de naves para mais de setenta mundos, e quatro astronaves para as estrelas, para nossos ancestrais, havia muito na Natureza para se temer raios, tempestades, terremotos, vulcões, pragas, secas, invernos longos. As religiões surgiram em parte como tentativas de conciliar e controlar, se não de compreender, o aspecto desordenado da Natureza.
Quão mais satisfatório haveria sido se nos houvessem colocado em um jardim feito sob medida para nós, com seus outros ocupantes colocados lá para serem usados como nos conviesse? Há uma celebrada estória na tradição ocidental como esta,
exceto que não estava tudo a nossa disposição.

Havia uma árvore em particular na qual não devíamos tocar, a árvore do conhecimento.
Conhecimento, compreensão e sabedoria nos eram proibidos nesta estória. Devíamos permanecer ignorantes. Mas não pudemos resistir. Estávamos famintos pelo conhecimento - criados com fome, pode-se dizer. Esta foi a origem de todos nossos problemas.
Em particular, é a razão por não vivermos mais em um jardim: descobrimos demais.
Enquanto nos mantivéssemos indiferentes e obedientes, suponho, poderíamos nos consolar com nossa importância e centralidade, e dizer a nós mesmos que éramos a razão pela qual o Universo foi feito.
Como começamos a satisfazer a nossa curiosidade, entretanto, a explorar, a aprender como o Universo realmente é, nos expulsamos do Eden. Anjos com uma espada flamejante foram colocados como sentinelas nos portões do paraíso para barrar nosso retorno. Os jardineiros se tornaram exilados e peregrinos. Ocasionalmente, lamentamos aquele mundo perdido, mas isso, me parece, é melodramático e sentimental.

Não poderíamos continuar felizes sendo ignorantes para sempre. Muitas coisas no Universo parecem ter sido desenhadas, mas ao invés disso, nós repetidamente descobrimos que os processos naturais - a seleção colisional de mundos, digamos, ou a seleção natural de reservatórios genéticos, ou mesmo o padrão de convecção em uma panela de água fervendo - podem extrair ordem a partir do caos, e nos enganar a deduzir que há um propósito onde não há nenhum.

O significado de nossas vidas e de nosso frágil planeta é então determinado apenas por nossa própria sabedoria e coragem. Nós somos os guardiões do sentido da vida, ansiamos por pais que cuidem de nós, que perdoem nossos erros, que nos salvem de nossos erros infantis.
Mas conhecimento é preferível à ignorância. É muito melhor aceitar a dura verdade do que uma fábula tranquilizadora.
Se sonhamos com um propósito cósmico, então que encontremos sozinhos um objetivo digno.

TAGS:'Keywords' nosso lar,nosso lar,nosso lar,nosso lar,nosso lar,nosso lar,nosso lar,nosso lar,nosso lar,nosso lar,nosso lar,nosso lar,nosso lar,nosso lar

O LADO OBSCURO DO ESPIRITISMO # SEGUIDORES DE CHICO XAVIER