Pesquisar este blog

Seguidores

terça-feira, 2 de novembro de 2010

Lavagem Cerebral,Espiritismo,Desarmamento




Vem ai uma nova campanha de desarmamento contrariando a decisão de milhares de brasileiros que no referendo de 2005 votaram pela manutenção do comércio de armas de fogo, mas porque um povo pacifico tomou esta decisão?
Ninguém encarou aquele referendo com uma forma de coibir as armas, mas sim de restringir o meu o seu direito constitucional e natural da Legitima defesa.

Ou acaso você não levanta a mão instintivamente quando alguém joga algo em você?
É nosso instinto de conservação.

Esta campanha é a expressão de um governo totalitário, pois mesmo após a decisão unânime da maioria da sociedade vai gastar milhões em uma campanha, que não ataca o problema na fonte.
Você já viu traficante de morro com revolver cinco tiros?
Noticia da folhauol 20/09/2010 - 13h13
Traficantes da Rocinha, em São Conrado, na zona sul do Rio, comercializavam, em média, oito fuzis e 14 mil munições a cada 20 dias, segundo informações da Polícia Civil.
A polícia informou ainda que, de acordo com um bloco de anotações apreendido, cada fuzil comercializado custa R$ 55 mil. Já as 14 mil munições chegam ao valor de R$ 71 mil.

VEJA IMAGENS DESTAS ARMAS DE FABRICAÇÃO AMERICANA

O desarmamento civil é apenas o primeiro passo. Serve para ir acostumando o povo com a idéia da submissão. Não reagir deixou de ser uma posição de covardia e passou a ser "politicamente correto". Não reaja!

Agora veja a visão falaciosa dos desarmentistas.
Segundo Rangel, o Instituto Sensus realizou um levantamento mostrando que foi mantido o mesmo número de apoio ao desarmamento tanto antes do referendo, quanto depois — 82% da população brasileira. “A população brasileira é esmagadoramente a favor do desarmamento voluntário.
“Nós achamos que o desarmamento é uma das formas de diminuir os homicídios por arma de fogo. Uma das grandes fontes que abastecem a criminalidade são as nossas armas. Quanto menos armas nas residências, menos armas nas mãos de bandidos”.

Opa como assim cara pálida em qual residência bandido encontra fuzil?

Mas, vamos raciocinar um pouco com números. Somo hoje um país com 160 milhões de habitantes. Destes, apenas 2,5 milhões possuem armas legais (registradas na polícia), ou seja: 1,6%. Para comprar essas armas esses cidadãos tiveram que provar que são honestos. Vocês acreditam que desarmando esses 1,6% de cidadãos honestos diminuirá a criminalidade ou a violência no país?
É evidente que não.
Vejam, portanto, que se observando friamente o número pode perceber que a campanha de desarmamento é mentirosa em sua essência. Não reaja!

O QUE DIZ O ESPIRITISMO SOBRE LEGITIMA DEFESA?

Vós tendes ouvido o que se disse: Olho por olho e dente por dente. Eu, porém, digo-vos que não resistais ao mal; mas se alguém te ferir na tua face direita, oferece-lhe também a outra; e ao que quer demandar-te em juízo, e tirar-te a túnica, larga-lhe também a capa; e se alguém te obrigar a ir carregado mil passos, vai com ele ainda mais outros dois mil. Dá a quem te pede, e não volte às costas ao que deseja que lhe emprestes. (Mateus, V: 38-42).

O que Kardec comenta:
Deve-se, entretanto, tomar essa máxima ao pé da letra? Não, da mesma maneira que aquela que manda arrancar o olho, se ele for causa de escândalo.
Levada as últimas conseqüências, ela condenaria toda repressão, mesmo legal, e deixaria os campos livres aos maus, que nada teriam a temer; não se pondo freio às suas agressões, bem logo todos os bons seriam suas vítimas.

O próprio instinto de conservação, que é uma lei da natureza, nos diz que não devemos entregar de boa-vontade o pescoço ao assassino.
Por essas palavras, Jesus não proibiu a DEFESA, mas condenou a VINGANÇA.

Livro dos Espíritos
702. O instinto de conservação é uma lei da Natureza?
— Sem dúvida. Todos os seres vivos o possuem, qualquer que seja o seu grau de inteligência; nuns é puramente mecânico e noutros é racional.
746. O assassínio é um crime aos olhos de Deus?
— Sim, um grande crime, pois aquele que tira a vida de um semelhante interrompe uma vida de expiação ou de missão, e nisso está o mal.
747. Há sempre no assassínio o mesmo grau de culpabilidade?
—Já o dissemos: Deus é justo e julga mais a intenção do que o fato.
748. Deus escusa o assassínio em caso de legítima defesa?
— Só a necessidade o pode acusar; mas, se pudermos preservar a nossa vida sem atentar contra a do agressor, é o que devemos fazer.

Portanto é fácil perceber que a doutrina não vai contra o bom senso, pois o seu direito a defesa é natural e constitucional.
A Constituição Federal Brasileira garante em seu artigo 5.º o direito à vida, à segurança e à propriedade, que são os fundamentos da cidadania conforme prescreve o inciso II, do artigo 1.º, da própria Constituição. Todos esses direitos são cláusulas pétreas, ou seja, não podem ser retirados do ordenamento jurídico constitucional e muito menos desrespeitados, nos termos estabelecidos pelo inciso IV, do parágrafo 4.º, do artigo 60, da Carta Magna.

“O rebanho fica mais seguro quando os lobos não conseguem distinguir entre quem são os leões e quem são os cordeiros.”

Agora parte final do artigo do site ARMARIA
A Quem Interessa o Desarmamento?

O Viva Rio integra a rede mundial de ONGs anti-armas chamada IANSA – (International Action Network of Small Arms). Os objetivos e estratégias da IANSA estão relacionados em suas diretrizes:
Algumas diretrizes da IANSA
1 – Reduzir a disponibilidade de armas para civis em todas as sociedades;
2 – Estabelecer regulamentações, treinamento e supervisão para assegurar o compromisso com padrões internacionais de direitos humanos por instituições estatais, forças armadas irregulares e cidadãos, no uso de armas leves;
3 – Promoção de programas para incentivar os cidadãos a entregar armas de fogo ilegais, inseguras ou indesejáveis;
4 – Relatórios regulares ao Registro de Armas Convencionais da ONU e apoio à extensão de sua abrangência para incluir algumas categorias de armas leves;
5 – Reforçar o papel da sociedade civil no monitoramento de transferências e do uso de armas leves nas esferas nacional, regional e internacional;
6 – Acompanhamento e monitoramento de transferências e movimentações de armas leves;
7 – Estabelecer sistemas políticos e legais para assegurar um efetivo controle e monitoramento civil das forças militares, polícias e outras instituições de aplicação da lei;
8 – Reduzir os gastos militares ao nível mais baixo possível;
9 – Desenvolver campanhas locais, nacionais e regionais de educação e percepção públicas, destinadas a deslegitimizar a posse de armas como parte de um processo de construção de confiança em instituições de segurança pública imparciais;
10 – Apoiar ONGs e o estabelecimento de capacidade comunitária, particularmente em regiões e localidades onde o uso de armas e a violência sejam mais problemáticos e as ONGs tenham poucos recursos, de modo a facilitar que elas possam desempenhar um papel pleno na IANSA;
11 – Assegurar que as campanhas, a mídia e o trabalho político mantenham o vínculo humano sempre que possível, por exemplo, “dando um rosto às vítimas”;
12 – Engajar, quando apropriado, o apoio de figuras públicas respeitadas e populares para transmitir mensagens de campanha para a mídia e o público;
13 – Estigmatizar ações de atores estatais e não estatais percebidos como contribuintes para o problema das armas leves e desenvolver estratégias para incentivar mudanças positivas e de acordo com os padrões internacionais.
O item número 4 revela-nos que as ONGs querem um registro universal das armas de fogo no âmbito da ONU, o que faz parte da política de governo mundial desta entidade.
Vejam os itens 5 e 6 - por eles percebemos porque o Viva Rio está tão interessado em assumir o controle dos arquivos da Polícia Civil do Rio de Janeiro e do SINARM da Polícia Federal. Eles querem substituir Exército e Polícias no controle das armas civis.
Os itens 2 e 7 mostram claramente a intenção de controlar as Forças Armadas e as Polícias.
O item 8 confirma o que já dissemos quanto ao enfraquecimento das Forças Armadas.
Os itens 9 e 13 mostram-nos porque a Sra. Elizabeth Sussekind, do Viva Rio, nomeada Secretária Nacional de Justiça pelo ministro José Carlos Dias, defende a divulgação na Internet do número das armas e da lista de seus revendedores.
Finalmente, lendo os itens 11, 12 e 13, percebe-se de onde vem a “inspiração” para as campanhas anti-armas do Viva Rio, do SBT e das organizações Globo.
Mas o desarmamento é mais que mera providência contra-revolucionária. A arma é um ícone da independência do cidadão diante do estado e o esteio da propriedade privada. É por isso que vemos alguns políticos "de esquerda" apoiando o desarmamento.
O cidadão armado é insubmisso. Assim como ele está disposto a confrontar um bandido, ele também se dispõe a enfrentar a tirania.
É por isso que, para a implantação do chamado “controle social” da população, é imperioso desarmar os cidadãos.

Portanto caro leitor coloque ai sua opinião sobre o assunto e lembre-se.
“Um direito que não se exerce é um direito que se perde”.

Reações:

0 comentários:

O LADO OBSCURO DO ESPIRITISMO # SEGUIDORES DE CHICO XAVIER