Pesquisar este blog

Seguidores

segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

Carlos Baccelli e suas psicografias


Carlos Baccelli e suas psicografias

Sempre me espantou como as mensagens psicografadas de vários médiuns atuantes em Uberaba – o falecido Chico Xavier, os ainda vivos e ativos Celso de Almeida Afonso e Carlos Baccelli, por exemplo – vinham com tantas informações sobre o falecido. No livro “Por Trás do Véu de Ísis”, de Marcel Souto Maior, encontrei uma possível resposta para esta pergunta.

E a resposta é… o médium simplesmente pergunta tudo para a família do morto, obtendo todas as informações necessárias.

Eis um trecho de um capítulo do livro que esclarece a questão, referente ao médium Carlos Baccelli:

Pais e mães vindos de todo o país esperam a vez de conversar com Baccelli, antes da sessão, numa saleta miúda localizada ao lado do hall de entrada.

É ali, atrás de uma mesa de madeira, que Baccelli atende os candidatos a receber uma mensagem do além. Estes encontros se sucedem a partir das cinco da manhã, uma hora e meia antes do início da psicografia.

Durante as conversas, quase sempre ligeiras, Baccelli pede mais detalhes aos visitantes sobre seus entes queridos e as circunstâncias da morte. Informações como nomes de avôs e avós são anotadas por ele, muitas vezes, em pequenos pedaços de papel, levados mais tarde até a mesa do salão principal, o palco da psicografia.

Quem organiza a fila é um carteiro aposentado de Uberaba, o seu Paulo, sempre simpático e dedicado. Ele se posiciona em frente à porta da saleta, que se fecha assim que cada visitante entra.

Neste sábado, ele está preocupado com a família que veio de carro de Florianópolis em busca de uma mensagem do filho morto. Foram dezenove horas de viagem.

O pai do jovem está na fila e recebe instruções solidárias do seu Paulo:

— Capricha, hein? Conta tudo pro médium pra você receber sua mensagem.

O pai entra sozinho na saleta e, para alívio do seu Paulo, fica quase três minutos lá dentro.

— Este deve receber a cartinha — prevê o ex-carteiro, agora encarregado da correspondência entre vivos e mortos.

O seu Paulo quase nunca erra.

[…]

Uma das cartas chama atenção especial pela crise de choro provocada na platéia. Um choro profundo, desesperado, que começa com lágrimas e soluços e termina com berros, gritos de dor e de saudade.

Querido papai Manoel João, querida mamãe Maria Therezinha, Esqueçamos o acidente de que fui vítima. Imaturidade aos 23 anos de idade…

Os avós são citados, com nomes e sobrenomes, entre detalhes sobre as circunstâncias da morte: um acidente de carro.

Quando a sessão termina, aproximo-me da mãe, ainda aos prantos, ao lado do marido contido e tenso.

Demoro a reconhecê-lo.

É o pai de Florianópolis, instruído pelo solidário seu Paulo.

Dona Maria Therezinha não tem nenhuma dúvida: o filho dela está vivo.

O seu Manoel João responde antes que eu tenha tempo de perguntar:

— Tudo o que está na mensagem eu contei para o médium lá na sala — ele diz.

Depois disso, Marcel Souto Maior entrevista Baccelli:

— Por que o senhor… digamos… “entrevista”, antes da sessão, os visitantes que vêm aqui em busca de mensagens? Por que são necessárias tantas informações?

Baccelli tem uma resposta pronta:

— O trabalho de psicografia não é só dos espíritos. É do médium também. O médium é parte integrante da equipe espiritual e deve ser o guardião da autenticidade de cada mensagem.

A coleta de informações antes da sessão teria, segundo o médium, as seguintes funções: facilitar a sintonia com os espíritos e preservar o trabalho de qualquer “fraude maledicente”.

— Este, Baccelli, é um cenário de dor, fé, esperança e de desconfiança também. Muitos pais duvidam da autenticidade das mensagens quando encontram, nas cartas destinadas a eles, dados já revelados ao senhor — argumento. Baccelli reage com calma:

— Este não é um problema meu. Não cabe ao médium duvidar. As pessoas duvidam até da existência de Deus, apesar de estarem diante da maior evidência de todas: a criação do mundo.

A resposta se prolonga:

— Normalmente as pessoas não querem apenas uma simples mensagem. Elas estão aqui porque querem o filho de volta, e isto as mensagens não conseguem fazer. Cada mensagem é de conforto, de esclarecimento, mas não é de convicção para aquele que não quer crer. A fé é uma conquista individual. Nós não nascemos com fé. A fé, como a paciência, como tudo, é uma conquista. A mensagem é um material de reflexão.

A conversa se encerra com uma citação de Paulo de Tarso:

— A profecia não é para os que duvidam, é para os que crêem — diz Baccelli.

Conclusão

A menos que Baccelli se submeta a testes controlados, que impeçam o vazamento de informações, não vejo motivo algum para considerar sua mediunidade autêntica. Seu ato de fazer várias perguntas aos familiares sobre o morto e o uso de um assistente (um ex-carteiro) que incentiva as pessoas a passarem informações, são altamente sugestivos de fraude.

Os demais médiuns de Uberaba ainda vivos deveriam se submeter a testes controlados também, até mesmo para saber o quão confiável é sua mediunidade. Uma pena que não haja ninguém atualmente fazendo pesquisas em laboratório com tais médiuns. Espero que este artigo chame a atenção para que crentes e céticos se unam no ideal de fazer uma pesquisa que elucide o que se passa em Uberaba: se uma fraude ou um fenômeno genuíno.

Bibliografia

Por Trás do Véu de Ísis – Uma investigação sobre a comunicação entre vivos e mortos (2004), de Marcel Souto Maior

FONTE: http://obraspsicografadas.haaan.com/

Reações:

1 comentários:

É verdade, eu acredito que a vida continua sim mas realmente é preciso tomar cuidado com certos médiuns. Não vejo motivo para se ter entrevistas antes de uma sessão de psicografia se o médium for verdadeiro mesmo e tem seu mentor, o ente querido é encaminhado e dita a carta sem que o médium saiba de nada antes. Realmente deve-se tomar muito cuidado e não sair acreditando em tudo que se ouve. As pessoas devem se habituar a investigar e se questionarem.

O LADO OBSCURO DO ESPIRITISMO # SEGUIDORES DE CHICO XAVIER