Pesquisar este blog

Seguidores

terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

As mentiras propagadas por Chico Xavier.

Dentre vários desses posteres de mensagens espíritas antirreligiosas (mormente atacando a Igreja Católica) de Chico Xavier, eis que se me deparo com este. Mais uma vez o autor espírita demonstra sua insalubridade e conhecimento de história, teologia e afins, simplesmente para alfinetar e falar de coisas que não conhece. Aqui, neste poster, alega que a Trindade cristã (Pai, Filho e Espírito Santo) é uma adaptação da Trimúrti hindu, em mais uma tentativa canhestra, típica de ateístas e outros, em tentarem desacreditar as crenças cristãs. Mas precede sua alegação?

O que é a Trindade?
É a crença cristã de que existem Três pessoas em um Deus. Estas três pessoas – o Pai, o Filho e o Espírito Santo – são distintas uma da outra mas compartilham a mesma natureza divina. Assim, não são três deuses distintos, mas um só Deus, assim Deus Pai, o Filho e o Espírito Santo (de acordo com o Santo Bíblia) têm o caráter e os atributos de Deus.

Alguns cultos e seitas afirmam que no início os cristãos copiaram a Santíssima Trindade das religiões pagãs circundantes. Eles estão muito longe da verdade. Então o que é o verdade? Por que os “Pais da Igreja” acham que é necessário estabelecer essa doutrina? Longe do que as seitas e cultos ensinam (e eles são muitas vezes lamentavelmente ignorantes dos fatos da história da Igreja), o conceito, na verdade, veio de uma leitura muito atenta e interpretação inspirada da Bíblia, que se refere a três Pessoas distintas como “Deus”, mas insiste que não há senão um só Deus. Os “Pais” estavam preocupados pelo fato de que alguns grupos iniciais estavam chegando ao entendimento de Deus, mas não faziam justiça para todas as Escrituras a respeito de Deus e, dessa forma, acharam necessário definir essas coisas doutrinariamente, a fim de evitar o erro e a heresia. Muitas dessas coisas foram estabelecidas nos credos doutrinários do século IV. Grande parte (embora não todos) eram para refutar Ário que era culpado de perverter as Escrituras que se referiam a Deus. Este homem, é claro, veio para dar o seu nome para a bem-reconhecida heresia do arianismo – muito “vivo e atuante’ nas Testemunhas de Jeová atuais.

Antes do cristianismo, nenhuma religião jamais acreditou em uma única Divindade composta por três pessoas. Detratores às vezes dizem que a família Osíris-Isis-Horus da mitologia do Egito antigo era um “modelo” para a Trindade cristã. No entanto, isto é claramente uma tríade de divindades pagãs distintas, não uma trindade na sentido cristão. Os egípcios nunca os considerou três pessoas em um só Deus, mas como dois deuses separados e uma deusa – entre inúmeras outras divindades, como Hator, Ptah, Neith, Set, Nut, Geb, e Basht, para citar alguns. A maior deidade no seu panteão era o deus sol Ra, então eles nem sequer consideraram a tríade Osíris-Isis-Horus ser suprema entre os deuses!

Outros críticos dentro dos cultos afirmam que o “Trimurti” hindu – Brahma, Vishnu e Shiva – era um outro modelo para a Trindade cristã. No entanto, os estudiosos nos dizem que esta “Trimurti” só aparece no hinduísmo durante os séculos IV a VII d.C.. Nessa época, a compreensão cristã da Santíssima Trindade estava se tornando bastante bem estabelecida! Se o conceito da Santa Trindade é anterior à Trimurti hindu (que certamente parece ser o caso), a anterior não poderia ter sido copiada a partir desta última. Na verdade, dada a tendência do hinduísmo de absorver conceitos de outras religiões, e o fato de que o cristianismo chegou à Índia no primeiro século, é muito provável que os mestres hindus desenvolveram o trimurti ao longo das linhas do conceito da Trindade professado pelos cristãos indianos!

No entanto, o primeiro não é uma cópia exata do este último. Os hindus não consideram Brahma, Vishnu e Shiva como três pessoas em um Deus, mas três deuses distintos que são manifestações de Brahman, o Absoluto impessoal. Alguns até mesmo adicionam um quarto deus, Ishvara, com esse grupo, e afirmam que ele é o primeiro – antecedente para os outros três! Isso destrói a trindade que pode parecer paralela da Trindade.

Além disso, Brahma, Vishnu e Shiva cada um tem uma deusa consorte – Sarasvati, Lakshmi e Shakti, respectivamente. Isto os faria não três, mas seis. Adicione Ishvara e sua consorte, Maheshvari, e agora você tem oito manifestações primárias da Brahman! No entanto, estes são apenas oito entre milhões de divindades em a tradição hindu, os quais são considerados várias manifestações do Absoluto.

Assim, qualquer alegado paralelo com a trindade hindu rapidamente se dissolve em um politeísmo modalistico e, finalmente, uma panteísmo monista, em que toda a diversidade do universo meramente manifesta uma unidade espiritual subjacente (um conceito que não se adequa no cristianismo ortodoxo, embora certamente aparece na Nova Era).

OBSERVAÇÃO:
Aliás, o ataque espírita à crença na Santíssima Trindade não é invenção de Chico Xavier; ele apenas repetiu o que já dizia o seu "mestre", Kardec: “As questões dos mitos e dos símbolos foram úteis até certo ponto; porém, a partir deste, tornaram-se pedras de tropeço. O homem só permanece neles por comodismo ou interesses mesquinhos. É o caso da permanência no mito irracional da Trindade, daí a origem da mitologia cristã e do sectarismo religioso.“ (“A Gênese”, Allan Kardec)




FONTE:LogosApologetica

Reações:

0 comentários:

O LADO OBSCURO DO ESPIRITISMO # SEGUIDORES DE CHICO XAVIER