Pesquisar este blog

Seguidores

domingo, 2 de agosto de 2015

A caminho da luz apagada chico xavier.

-------------------------------
“A CAMINHO DA LUZ” (1939), DE CHICO XAVIER X “OS GRANDES INICIADOS” (1889), DE EDOUARD SCHURÉ – ANÁLISE E SEMELHANÇAS

Neste artigo de Eduardo José Biasetto revela-se como Jesus e seus colaboradores, segundo a mediunidade de Chico Xavier, estão mais para “Os Trapalhões” do que para “Espíritos Sábios” ou “Superiores”. Mais que isso, a fonte em que Chico se baseou para escrever “A Caminho da Luz” é finalmente revelada.

Ao fazer uma análise crítica da obra A CAMINHO DA LUZ (Chico Xavier/Emmanuel, FEB, 1939), deparei-me com duas conclusões bastante interessantes, as quais me revelaram grande dúvida (mais uma vez), no tocante à mediunidade de Chico Xavier. São elas:  

1º) Na citada obra, há uma extraordinária exaltação da figura de Jesus Cristo, indicando-o como o “grande arquiteto” do mundo terreno, tanto no aspecto da formação física/geológica do planeta, como na elaboração da vida e o processo evolutivo; bem como, o desenrolar das sociedades humanas, em todas as épocas. Achei estranho esta concepção, porque além de colocar Deus em 2º plano; assim como acontece em BRASIL, CORAÇÃO DO MUNDO, PÁTRIA DO EVANGELHO, Jesus Cristo parece não ter certeza das consequências de seus atos, pois os projetos por Ele (e seus colaboradores) estabelecidos, acabam, normalmente, fracassando. Assim, a impressão que a narrativa do livro me traz, é a de um desejo ardente de Chico Xavier em exaltar o Divino Mestre. Entretanto, o tiro parece ter saído pela culatra, porque o Jesus Cristo mostrado no livro comete equívocos dos mais variados; 
[VVVVVVVVVVVVVVVVVVVVVVVVVVVVVVVVVVVV]
2º) Orientado por uma observação do Vitor Moura, pude constatar uma grande influência do livro OS GRANDES INICIADOS, do francês Édouard Schuré (1841-1929), na elaboração de A CAMINHO DA LUZ. Vitor, por sua vez, pôde detectar a influência graças às informações do moderador Paulo Dias em sua lista de discussão, a pgdelanne. A influência não é tão fácil de ser constatada, porque como o próprio Vitor me alertou, praticamente não há plágio de textos, vocábulos, mas sim de ideias. E é exatamente o que ocorre. OS GRANDES INICIADOS é um livro que procura mostrar como as “raças” humanas se distribuíram pela Terra, destacando o papel de algumas pessoas (espíritos elevados) na construção da sociedade humana. Importante indicar alguns aspectos da obra: 

- a 1ª edição é de 1889;
- a reencarnação é tema mencionado e aceito;
- há inúmeras passagens preconceituosas, do tipo “raça superior”, “raça inferior”;
- há erros de análise histórica e científicos (Biologia) na conceituação das “raças humanas”.

* porém, vale lembrar que a obra foi escrita na 2ª metade do século XIX, portanto, influenciada pelo conhecimento e a visão “quadrada” da época. 
A apresentação desta análise se faz em duas partes, vamos a elas: 

PARTE I (Informações duvidosas e imprecisas) 

De acordo com as informações de A CAMINHO DA LUZ (Chico Xavier/Emmanuel, FEB, 1939), não foi Deus que criou o mundo, mas Jesus Cristo e sua equipe. O problema é que eles parecem não ter muita competência. Acompanhe: 

1-) Sim, Ele [Jesus Cristo] havia vencido todos os pavores das energias desencadeadas; com as suas LEGIÕES DE TRABALHADORES DIVINOS, lançou o escopro da sua misericórdia sobre o bloco de matéria informe, que a Sabedoria do Pai deslocara do Sol para as suas mãos augustas e compassivas. Operou a ESCULTURA GEOLÓGICA DO ORBE TERRENO, talhando a escola abençoada e grandiosa, na qual o seu coração haveria de expandir-se em amor, claridade e justiça. Com SEUS EXÉRCITOS DE TRABALHADORES DEVOTADOS, estatuiu os regulamentos dos FENÔMENOS FÍSICOS DA TERRA, organizando-lhes o equilíbrio futuro na base dos corpos simples de matéria, cuja unidade substancial os espectroscópios terrenos puderam identificar por toda a parte no universo galáxico. ORGANIZOU O CENÁRIO DA VIDA, criando sob as vistas de Deus, o indispensável à existência dos seres do porvir. FEZ A PRESSÃO ATMOSFÉRICA adequada ao homem, antecipando-se ao seu nascimento no mundo, no custo dos milênios; ESTABELECEU OS GRANDES CENTROS DE FORÇA DA IONOSFERA E DA ESTRATOSFERA, onde se harmonizam os fenômenos elétricos da existência planetária, e EDIFICOU AS USINAS DE OZONE A 40 E 60 QUILÔMETROS DE ALTITUDE, para que filtrassem convenientemente os raios solares (…) Definiu todas as linhas de progresso da humanidade futura… [Páginas 21 e 22] 

Comentário: Os primeiros capítulos do livro informam que Jesus Cristo e uma equipe de trabalhadores devotados (espíritos evoluídos), estiveram na Terra, deve ser há uns 4 bilhões de anos (não imaginei que Jesus fosse tão velho!), arrumando o planeta para a manifestação da vida. Eles (Jesus e seus exércitos!) prepararam desde as condições físicas, geológicas, químicas, até as condições biológicas, que permitiriam a manifestação da vida em todas as formas e variedades. Aquela história de Deus criando o “mundo” em 7 dias já era de vez! (Bem, eu não acreditava mesmo!).

Não há informações, de como Jesus Cristo e seus auxiliares “construíram” o planeta. Por que eles escolheram as tais “placas tectônicas”, é algo que os japoneses provavelmente gostariam de saber, afinal de contas, conhecem bem as consequências de um terremoto. Deveriam mandar a conta pra Jesus e sua equipe. 

2-) Sob a orientação misericordiosa e sábia dos Cristo, laboravam na Terra numerosas assembleias de operários espirituais.

Como a engenharia moderna, que constrói um edifício prevendo os menores requisitos de sua finalidade, os ARTISTAS DA ESPIRITUALIDADE edificavam o mundo das células iniciando, nos dias primevos, a construção das formas organizadas e inteligentes dos séculos porvindouros.

O IDEAL DA BELEZA foi a sua preocupação dos primeiros momentos, no que se referia às edificações celulares das origens. (…) Milhares de anos foram precisos aos OPERÁRIOS DE JESUS, nos serviços da elaboração paciente das formas. [Páginas 25 e 27] 

Comentário: Vejam, mais uma vez, que foi Jesus e seus operários, os responsáveis pela “construção das formas organizadas e inteligentes”, inclusive houve grande preocupação com o “ideal da beleza”. Portanto, apreciar a beleza não é pecado coisa nenhuma, porque Jesus e seus comandados se preocuparam com a beleza das formas. (Met-Art está liberada!) 

3-) Seus condutores conheciam as elevadas finalidades da vida. Lembravam-se vagamente das promessas do Senhor, anteriores à sua reencarnação para os trabalhos do penoso degredo. [se refere aos degredados da Capela] A prova disso é que eles abraçaram todos os grandes missionários do pretérito, vendo neles os avatares do ser Redentor. [se referindo a líderes como Buda] (…) Mas, como se a questão fosse determinada por um doloroso atavismo psíquico, o povo hindu, embora as suas tradições de espiritualidade, deixou crescer no coração o espinho do orgulho que, aliás, dera motivo ao seu exílio na Terra. [Página 53] 

Comentário: O livro informa que muitos espíritos foram degredado à Terra, vindos de Capela, na Constelação do Cocheiro. Estes espíritos, apesar de cultos, ainda eram muito egoístas, orgulhosos, por isso foram punidos e reencarnaram em nosso planeta. Há várias passagens, indicando que eles reencarnaram em lugares distintos, como no Egito antigo, na Índia, na China… O problema é que estes espíritos tinham sido orientados por Jesus Cristo para ajudarem os espíritos terrenos a progredirem. Só que como é mencionado no trecho acima, muitos desses espíritos falharam. É complicado como o plano espiritual planeja algo, mas quando vem a prática, tudo falha! Aquela ideia do Deus Onisciente, também já era. Nem Deus, nem Jesus Cristo sabem o que vai acontecer. Não estou blasfemando, está no livro….

4-) Quarenta anos no deserto representaram para aquele povo [os hebreus] como que um curso de consolação da sua fé, contagiosa e ardente.

SEGUIU-LHE JESUS TODOS OS PASSOS, assistindo-o nos mais delicados momentos de sua vida e foi ainda, sob o pálio da sua proteção, que se organizaram os reinos de Israel e de Judá, na Palestina. (…) O judaísmo, saturado de orgulho, não conseguiu compreender a ação do celeste emissário. Apesar da crença fervorosa e sincera, Israel não sabia que toda a salvação tem de começar no íntimo de cada um e, cumprindo as profecias de seus próprios filhos, conduziu aos martírios da cruz o divino Cordeiro. [Páginas 68 e 71] 


Comentário: O livro mostra que Jesus acompanhou todos os povos da Terra, nos momentos mais difíceis. No caso acima, se refere ao Êxodo, indicando que esteve sempre presente na vida dos judeus, auxiliando-os. Em troca, recebeu a crucificação, que também foi influenciada pelas atitudes dos judeus. Jesus Cristo não é reconhecido pelos judeus como Messias, o Salvador. Quer dizer: ajudou os caras e ganhou isto! Fazer o quê? 


5-) Numerosos Espíritos reencarnaram com as mais altas delegações do plano invisível. Entre esses missionários, veio aquele que se chamou Maomet, ao nascer em Meca no ano 570. (…) Maomet, contudo, pobre e humilde no começo de sua vida, que deveria ser de sacrifício e exemplificação, torna-se rico após o casamento com Khadidja e não resiste ao assédio dos Espíritos da Sombra, traindo nobres obrigações espirituais com as suas fraquezas. (…) É por essa razão que o missionário do Islã deixa entrever, nos ensinos, flagrantes contradições. [Página 150] 

Comentário: Estava tudo certo para Maomet reencarnar e ser um grande missionário do Cristo. Porém, ele se casou, ficou rico e aí a coisa complicou. As riquezas e a vida conjugal desviaram ele do caminho planejado… Que pena hein!!! 

6-) O Cristo localiza, então, na América as suas fecundas esperanças. O século XVI alvorece com a descoberta do novo continente, sem que os europeus, de modo geral, compreendessem, na época, a importância de semelhante acontecimento. As riquezas fabulosas da Índia deslumbram o espírito aventureiro daquele tempo, e as testas coroadas do Velho Mundo não entenderam a significação moral do continente americano.

OS OPERÁRIOS DE JESUS, porém, abstraídos da crítica ou do aplauso do mundo, cumprem os seus grandes deveres no âmbito das novas terras. Sob a determinação superior, organizam as linhas evolutivas das nacionalidades que aí teriam de florescer no porvir. (…) localizando o cérebro da nova civilização no ponto hoje se alinham os Estados Unidos da América do Norte, e o seu coração nas extensões da terra farta e acolhedora onde floresce o Brasil, na América do Sul. Os primeiros guardam os poderes materiais; o segundo detém as primícias dos poderes espirituais, destinadas à civilização planetária do futuro. [Página 173] 

Comentário: Nesta passagem do livro, confirma-se o que foi dito pelo “espírito” Humberto de Campo, em Brasil, Coração do Mundo, Pátria do Evangelho, quando se menciona que Jesus Cristo e sua equipe de espíritos evoluídos, foram responsáveis pela “descoberta” e colonização da América, destacando o papel do Brasil, como a “Pátria do Evangelho”. Eu só queria saber quando isto, de fato, vai acontecer, porque o nosso país, infelizmente, deixa muito a desejar, especialmente no que diz respeito à justiça social. Mais uma vez, o que Jesus Cristo e seus colaboradores planejaram, falhou! 

7-) O humilde soldado corso, destinado a uma grande tarefa na organização social do século XIX, não soube compreender as finalidades da sua grandiosa missão. Bastaram as vitórias de Árcole e de Rívoli, com a paz de Campoformio, em 1797, para que a vaidade e a ambição lhe ensombrassem o pensamento. [Página 192] 

Comentário: O espírito de Napoleão Bonaparte veio ao mundo terreno com a “grande tarefa social”, mas se deixou levar pela vaidade e ambição. Quer dizer: era pra ser bonzinho, mas virou um bad boy! Não dá pra entender: tudo que os espíritos sábios planejam no elevado plano espiritual, não se concretiza aqui na Terra. 

PARTE II – A influência de OS GRANDES INICIADOS sobre A CAMINHO DA LUZ: 


QUADRO I.
OS GRANDE INICIADOS (P. 6 e 15) – Os templos da Índia e do Egitoconservavam cifras e tradições sumárias destas civilizações desparecidas. Em nosso ciclo, é a raça branca que domina e se avaliarmos a provável antiguidade daÍndia e do Egito, poderemos deduzir que sua preponderância data de sete ou oito mil anos.
Remontando à corrente semítica, por meio de Moisés chegamos ao Egito, cujos templos possuíam, segundo Maneton, uma tradição de 30 mil anos. E pela corrente ariana atingimos a Índia, onde se desenvolveu a primeira grande civilização que resultou de uma conquista da raça branca. A Índia e o Egito foram as duas grandes matrizes das religiões Possuíram o segredo da iniciação. 
A CAMINHO DA LUZ (P. 49 e 57) – As organizações hindus são de origem anterior à própria civilização egípcia e antecederam de muito os agrupamentos israelitas…
Se as civilizações hindu e egípcia definiram-se no mundo em breves séculos, o mesmo não aconteceu com a civilização ariana, que is iniciar na Europa os seus movimentos evolutivos. 
QUADRO II 
OS GRANDES INICIADOS (P. 42) – O que a epopéia hindu não nos revela é o profundo mistério da mistura das raças e a lenta fermentação das ideias religiosas, que trouxeram profundas mudanças para a organização social da Índia védica.  (…) A separação das castas, na época primitiva, não era muito rigorosa, e grandes misturas ocorreram entre os povos. (…) O prodígio foi que, apesar dessa mestiçagem, as ideias dominantes na raça branca conseguiram se manter no vértice dessa civilização, através de tantas revoluções.
 A CAMINHO DA LUZ (P. 50 e 53) – O pensamento moderno é o descendente legítimo daquela raça de pensadores, que se organizou nas margens do Ganges, desde a aurora dos tempos terrestres, tanto que todas as línguas das raças brancas guardam as mais (…)
Em breve, a organização das castas separava as suas coletividades para sempre. Essas castas não se constituíam num sentido apenas hierárquico, mas com a significação de uma superioridade orgulhosa e absoluta. 
QUADRO III 
OS GRANDES INICIADOS (P. 93) – Nossos historiadores falam dos faraós no mesmo tom com que se referem aos déspotas de Nínive e de Babilônia. Para eles, o Egito é uma monarquia absoluta e conquistadora como a Assíria, só diferindo dela por ter durado alguns milhares de anos a mais. Teriam levado em consideração que na Assíria a realeza esmagou o sacerdócio fazendo dele seu instrumento, enquanto no Egito o sacerdócio disciplinou a realeza, e jamais abdicou, mesmo nas piores épocas, impondo-se aos reis, expulsando os déspotas, governando sempre a nação? E isto, por uma superioridade intelectual, por uma sabedoria profunda e oculta, que nenhum corpo docente em qualquer país ou qualquer tempo. 
A CAMINHO DA LUZ (P. 41 e 42) – Dentre os Espíritos degredados na Terra, os que constituíram a civilização egípcia foram os que mais se destacavam na prática do Bem e no culto da Verdade. Em virtude das circunstâncias mencionadas, os egípcios traziam consigo uma ciência que a evolução da época não comportava. 
QUADRO IV 
OS GRANDES INICIADOS (P. 130 e 163) – Moisés, iniciado egípcio (…) teve a audácia de fazer do mais alto princípio da iniciação o dogma único de uma religião nacional, e a prudência de revelar suas consequências somente a um pequeno número de iniciados, impondo-o à massa pelo temor. Além disso, o profeta do Sinai evidentemente teve visões longínquas que ultrapassavam de muitos os destinos de seu povo.
Ao redor do profeta que comanda esse povo há um grupo de sacerdotes (…) Com eles, setenta chefes eleitos ou iniciados leigos comprimem-se em torno do profeta de Iavé, o qual lhes confiará sua doutrina secreta e sua tradição oral, que lhes transmitirá uma parte de seus poderes, associando-os, às vezes, a suas inspirações e suas visões. 
A CAMINHO DA LUZ (P. 66) – Sem procurarmos os seus antepassados, anteriores a Moisés, vamos encontrar o grande legislador hebreu saturando-se de todos os conhecimentos iniciáticos, no Egito antigo, onde o seu espírito recebeu primorosa educação (…)
Moisés, na sua qualidade de mensageiro do Divino Mestre, procura então concentrar o seu povo para a grande jornada em busca da Terra da Promissão.Médium extraordinário, realiza grandes feitos ante os seus irmãos e companheiros maravilhosos. 
QUADRO V 
OS GRANDES INICIADOS (P. 324, 327, 330 e 331) – Foi nessa época que Platão encontrou Sócrates, que discutia com os jovens nos jardins da Academia. Ele falava sobre o Justo e o Injusto, sobre o Belo, o Bom e o Verdadeiro.
Aquele homem mostrou-lhe a inferioridade da beleza e da glória tal como as concebera até então, diante da beleza e da glória da alma em ação (…)
As duas principais acusações contra Sócrates foram: corromper a mocidade e não crer nos deuses (…)
Eu creio mais nos deuses do que qualquer um de meus acusadores. É tempo de nos deixarmos. Eu, para morrer, e vós, para viverdes. Quem de nós fica com a melhor parte? Ninguém o sabe, exceto Deus. 
A CAMINHO DA LUZ (P. 94 e 95) – Sócrates é acusado de perverter os jovens atenienses, instilando-lhes o veneno da liberdade nos corações.
– “Sócrates, Sócrates, os juízes te condenam à morte…”
– “Que tem isso? (…) eles também estão condenados pela Natureza.”
(…)
Falaremos, apenas, deste último [Platão], para esclarecer que nenhum deles soube assimilar perfeitamente a estrutura moral do mestre inesquecível. 
Observação: As passagens deste quadro podem ser criticadas, pois o que aqui se informa é de conhecimento histórico tradicional. Porém, pra quem ler as duas obras, poderá verificar que a sequência dos temas abordados são bem semelhantes. No livro OS GRANDES INICIADOS, Sócrates é elogiado por suas virtudes e, em seguida, fala-se muito de Platão. No livro A CAMINHO DA LUZ, o texto segue a mesma direção. Observem alguns temas abordados nos dois livros: 
OS GRANDES INICIADOS
A CAMINHO DA LUZ
As raças humanas e as origens da religião
As raças adâmicas/Origens das raças brancas
As primeiras organizações religiosas
A Índia e a iniciação brâmane
A Índia/A organização hindu
Os mistérios do Egito
A civilização egípcia/A ciência secreta
Moisés – A missão de Israel
O povo de Israel / Moisés
Pitágoras / Sócrates / Platão
A Grécia e a missão de Sócrates
Mais uma vez ficam as seguintes indagações: 
- Chico Xavier era médium? Então, por que outro livro que ele disse ter recebido do plano espiritual, apresenta erros ou informações muito duvidosas e, além disso, semelhanças com outra obra?
- Se o Chico era médium, por que Emmanuel, um espírito sábio, errou nas informações que passou a ele e/ou se deixou influenciar pelas informações de outra obra?
O que você acha?

FONTE: http://obraspsicografadas.org/

Reações:

0 comentários:

O LADO OBSCURO DO ESPIRITISMO # SEGUIDORES DE CHICO XAVIER